sábado, 14 de julho de 2012

Os grandes (e mal conhecidos) fillmes de Depp

Que Johnny Depp é fantástico como ator, e hábil em escolher grandes trabalhos para atuar não é novidade. Contudo, acho que alguns de seus papéis que não deixam nada a desejar a Edward Mão de Tesoura, Willie Wonka e Jack Sparrow são desconhecidos por muita gente. Por conta disso, resolvi apresentá-los aqui, principalmente para a galera que nasceu a partir dos anos 90. Pouca gente sabe disso, mas Johnny Depp fez uma ponta em um dos maiores clássicos do cine de horror. Trata-se de um ícone dos anos 80, A Nightmare On Elm Street, que recebeu no Brasil o título de “A Hora do Pesadelo”.
Depp está ainda bem novo, e pouco aparece no filme, sendo uma das primeiras vítimas do asqueroso e canastrão Freddy Krueger. Não que a história não seja interessante, mas as muitas continuações acabaram carnavalizando a personagem, transformando o que era terror em palhaçada.
Mesmo assim vale uma conferida, mesmo que seja para ver Depp pós-adolescente...
Mas imperdível mesmo é Cry Baby. Os fãs de Rockabilly têm motivos de sobra para adorar esse filme, também dos anos 80, no qual Johnny Depp, além de atuar muito bem como rocker rebelde, ainda canta e toca guitarra sem dublês.
Boas também são as aparições de Iggy Pop e de Traci Lords (ex-atriz pornô), a trilha sonora é recheada com muito rock’n roll do início ao fim, e o filme tem um clima despretensioso e saudosista. Outra obra prima do começo da carreira de Depp é Donnie Brasco, de 1997. A trama não podia ser melhor: a história verídica de um agente do FBI, infiltrado por nada menos que cinco anos na máfia americana. O agente Donnie Brasco, vivido por Depp, tão bem desempenha suas funções junto à bandidagem, que mesmo após o fim da operação, com todos os malandros presos, o grupo ao qual pertencia Brasco não acreditava que ele fosse o delator, certos de que Donnie havia sido vítima de uma armação.
Johnny Depp, embora ainda muito jovem, está impecável nesse papel, pois representa um policial que realmente existiu e pôde assim mostrar toda sua expressividade sem máscaras ou a maquiagem pesada dos heróis que, posteriormente, encarnou tão bem.
Outro atrativo deste grande filme é a presença inigualável de Al Paccino, no papel do mafioso “padrinho” de Depp. Sua performance também é magistral, as cenas em que contracena com Johnny Depp são memoráveis. O filme tem cenas fortes de violência e tensão, mas em nenhum momento é apelativo ou exagerado como os filmes atuais. Outro excelente longa protagonizado por Johnny é Profissão de Risco, que, inexplicavelmente, passou meio despercebido no Brasil. Conta a história real de George Jung, um criminoso norteamericano que começou sua vida de marginal vendendo maconha nas praias de seu país, e acabou tornando-se lá o braço direito do famigerado traficante colombiano Pablo Escobar. A fita tem ainda Penélope Cruz no papel da mulher de George.
A principal característica de George Jung era sua diplomacia. Em nenhum momento pratica ações violentas e chega a virar o rosto diante dos assassinatos que presencia. Um momento do filme que faz rir é quando, preso pela primeira vez, sob acusação de tráfico interestadual de drogas, George responde à juíza: eu apenas cruzei uma linha imaginária (a fronteira entre dois estados americanos) carregando algumas plantas (a erva maldita).
Sua relação afetuosa com a filha e conturbada com a esposa contribui para o aspecto de veracidade que o roteiro busca salientar. E a cena final, sobre a qual não darei detalhes, é surpreendente, e mexe com o espectador. Uma frase, dita então por Jung, define a queda de muitos criminosos: “Meu grande erro foi permitir que minha ambição se tornasse maior que o meu talento”. Mas se pararmos para refletir, não são apenas os marginais que cometem esse erro... Aí foi a dica de quatro grandes filmes com Johnny Depp que muitos fãs não conhecem, espero que apreciem, comentem e mandem sugestões. Em breve, continuarei o trabalho de metaficção trazendo a análise material novo!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário