segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Os Fantasmas de Edimburgo

Você acredita em fantasmas? Se a resposta for não, o Mary King’s Edinburgh Ghost Festival pode fazê-lo mudar de opinião. Edimburgo tem uma antiga e sombria história, e atrai peritos em paranormalidade do mundo todo, que a visitam para investigar seus habitantes sobrenaturais.
O festival fantasmagórico, que ocorre entre 9 e 18 de maio, dá ao público comum a chance de ouvir sobre os resultados dessas investigações e auxiliar os próprios especialistas. O festival recebe seu nome por conta de uma de suas moradoras, Mary King, que viveu no século XVII e morava numa pequena rua sem saída, no final da via mais famosa de Edimburgo, a Royal Mile. A Mary King Close é aberta ao público e os principais eventos do festival acontecem nela.
Os visitantes passam a noite em salas escuras e macabras, com água pingando dos tetos e estranhos ruídos emanando das paredes. Recebem para a jornada equipamentos especiais: microfones para gravar os lamentos dos fantasmas, tochas infravermelhas, câmeras e medidores especiais, que tocam quando os fantasmas estão por perto. O próximo passo e explorar os corredores iluminados por velas, onde um estudioso de assuntos sobrenaturais conta histórias de assassinatos e terror. Quando, subitamente, a temperatura cai, o guia explica: são os fantasmas, eles sugam calor dos corpos vivos para poderem se materializar. As pessoas tentam fotografar os fantasmas, ou usar os microfones especiais para gravar suas vozes. No fim da noite, o guia fala ao público sobre suas investigações e reponde perguntas.
O festival inclui um passeio no ônibus-fantasma, que visita o Castelo Crichton, o Temple Graveyard e Rosslyn Chapel, que ficou famosa por aparecer em O Código Da Vinci.
Durante encontros noturnos nos bares da cidade, contadores de história contam casos de fantasmas e matadores. Há uma oficina de assuntos paranormais, onde acontecem sessões espíritas. Por fim, é hora de se juntar aos demônios e assassinos do passado de Edimburgo para um desfile da Royal Mile até o Mercat Cross, cenário das execuções públicas da cidade.